segunda-feira, 2 de junho de 2014

Medida provisória eleva percentual de biodiesel no óleo diesel



O governo federal anunciou nesta quarta-feira (28) que a mistura obrigatória de biodiesel ao óleo diesel vai aumentar de 5% para 6%, em 1º de julho, e para 7%, a partir de 1º de novembro. A mudança ocorre por medida provisória, assinada pela presidenta Dilma Rousseff e encaminhada ao Congresso Nacional. O ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Clelio Campolina Diniz, compareceu à cerimônia de lançamento, no Palácio do Planalto.
A norma segue propostas da Comissão Executiva Interministerial do Biodiesel (CEIB), coordenada pela Casa Civil da Presidência da República e responsável por elaborar, implementar e monitorar políticas relacionadas ao Programa Nacional de Produção e Uso do Biodiesel (PNPB). A iniciativa já havia estabelecido os percentuais de 2% da mistura em 2008 e de 5% em 2010.

Instituído em 2004, o PNPB é um programa interministerial com objetivo de colocar em prática de forma sustentável, tanto técnica como economicamente, a produção e o uso do biodiesel no Brasil, com enfoque na inclusão social e no desenvolvimento regional, por meio de geração de emprego e renda.

“O Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação [MCTI] responde, no âmbito do PNPB, pelo módulo de Desenvolvimento Tecnológico, que busca organizar e fomentar a base existente no país e norteá-la a gerar resultados que atendam às demandas do programa”, explica o coordenador de Ações de Desenvolvimento Energético da pasta, Rafael Menezes.

Chamadas

Representante do MCTI na CEIB, Menezes lembra que a Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do ministério (Setec) apoia, atualmente, duas chamadas selecionados pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq/MCTI), com R$ 25,6 milhões para projetos voltados à cadeia produtiva do biodiesel e R$ 11,23 milhões para estudos que aproveitem a biomassa de microalgas em biocombustíveis.

Uma das ações da Setec no PNPB é a Rede Brasileira de Tecnologia de Biodiesel (RBTB), que, desde 2004, conduz um programa de testes em motores em busca de percentuais maiores do biocombustível na mistura do diesel. Em 2009, a RBTB publicou um relatório sobre os ensaios com índice de 5%. Recentemente, a iniciativa vem estimulando experimentos com 20%.

Desde 2006, a rede realiza congressos para apresentar as principais tecnologias da cadeia produtiva, de forma a avaliar resultados do PNPB. Segundo Menezes, o sexto e próximo encontro da RBTB ocorre em 2015.

Texto: Rodrigo PdGuerra – Ascom do MCTI 
Fonte: Portal MCTI

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

5° Congresso da Rede Brasileira de Tecnologia de BIODIESEL

O Congresso da Rede Brasileira de Tecnologia de Biodiesel, realizado simultaneamente ao Congresso Brasileiro de Plantas Oleaginosas, Óleos, Gorduras e Biodiesel, constitui o principal evento técnico científico na área e será realizado em Salvador-BA, no período de 16 a 19 de abril de 2012. Esse evento é uma referência nacional para as áreas de produção de plantas oleaginosas, óleos, gorduras e biodiesel. A escolha do Estado da Bahia para a realização dos eventos se deveu à importância do Estado para a economia regional e nacional. No Estado estão presentes diferentes empresas da cadeia produtiva do biodiesel e o Estado possui nos seus municípios uma grande potencialidade agrícola, com diversidades edáfica e climática.
O evento está construído de forma a apresentar as principais tecnologias das diferentes áreas da cadeia produtiva e, para tanto, serão realizadas palestras, mesas redondas, reuniões técnicas, simpósios, seminário e, de uma maneira a privilegiar os técnicos e agricultores, durante o evento será realizado simpósios específicos para este público.
O evento terá como tema central "Biodiesel, Inovação e Desenvolvimento Regional".

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Potencial Energético das Microalgas: eventos se multiplicam pelo Brasil

Um dos mais importantes apelos para a produção de biodiesel a partir de microalgas é que este tipo de cultivo não irá deslocar as tradicionais áreas de cultivo voltadas para a alimentação humana – uma das principais críticas dos que se opõem à produção de biodiesel a partir de plantas oleaginosas. Com efeito, é possível extrair mais óleo e de melhor qualidade de microalgas do que qualquer outra matéria-prima de origem vegetal usada na produção de biodiesel, como soja, girassol, mamona, etc. Outro fator vantajoso do cultivo de microalgas é que a mesma requer uma menor área de produção quando comparada a outras culturas.
No mês de julho estive em dois eventos que debateram o potencial das microalgas para a produção de biocombustíveis. O primeiro foi o 1° Seminário Microalgas promovido pela ALGAE Biotecnologia e pela UFSCar, realizado em São Paulo. O encontro reuniu pesquisadores nacionais e internacionais que abordaram temas como: “produção industrial de microalgas para biocombustíveis e sequestro de carbono”; “projetos de desenvolvimento tecnológico da Algae Biotecnologia”; “integração do cultivo de microalgas em usinas de açúcar e álcool”; “utilização de microalgas para tratamento de efluentes urbanos” e “análise de ciclo de vida na produção de biocombustíveis de microalgas”.
O segundo foi um grande evento que ocorreu na magnífica cidade histórica de Paraty-RJ (XIII Congresso Brasileiro de Ficologia – CBFic) promovido pela Sociedade Brasileira de Ficologia, no período de 19 a 23 de julho de 2010. Participei da mesa redonda que tinha como objetivo avaliar a realidade dos biocombustíveis de algas no Brasil. Quem pode ver as apresentações certamente não esperava ver tantos avanços tecnológicos obtidos por instituições brasileiras.... a destacar os trabalhos do Professores: Sérgio Lourenço (UFF); Paulo Cesar Abreu (FURG) e Jose Viriato Vargas – que proferiram excelentes palestras.
Muitos artigos interessantes foram apresentados, tais como o trabalho da pesquisadora Claudia Teixeira do Instituto Nacional de Tecnologia do MCT que demonstrou o potencial do extrato de sementes de moringa como agente floculante de microalgas para a produção de biodiesel”. Todos os resumos aprovados para o congresso podem ser baixados neste link: https://www.metaeventos.net/cbfic2010/
Grande Abraço a todos....

sábado, 14 de agosto de 2010

1º Curso Superior de Tecnologia em Biocombustíveis do País

Isso mesmo meus amigos! Começaram na quinta-feira (12/08/2010) na belíssima cidade Matão-SP as aulas do 1º Curso de Tecnólogo em Biocombustíveis gratuito do País. São quarenta futuros profissionais que iniciaram sua formação em um setor altamente estratégico para o País.
A falta de profissionais capacitados para atuar na cadeia produtiva dos biocombustíveis é uma realidade e foi uma questão levantada por profissionais e pesquisadores por ocasião da realização da 1ª reunião anual de coordenação da Rede Brasileira de Tecnologia de Biodiesel (RBTB) ocorrida no mês de maio de 2008 no Ministério da Ciência e Tecnologia. Aí tudo começou.....o Prof. Nelson Roberto Antoniosi Filho (Coordenador da Temática de Caracterização e Controle da Qualidade da RBTB) pediu a palavra e sugeriu que o MCT e a RBTB apoiasse a criação de um curso superior em biocombustíveis no âmbito dos institutos federais - aproveitando todo esforço do governo federal na ampliação e reestruturação dos antigos CEFET’s.
Com muito trabalho e empenho pessoal do Prof. Nelson e contando com o apoio do MCT, da Casa Civil da PR, do Ministério da Educação, do IFSP e da Prefeitura de Matão esse curso, em apenas dois anos, se tornou realidade.
Ontem (13\08\2010) eu tive a honra de ministrar a aula inaugural do 1º Curso gratuito do País de ensino superior de tecnologia em biocombustíveis no âmbito dos Institutos Federais de Eduação, Ciencia e Tecnologia (IFET).
Quero deixar meus agradecimentos e um abraço a todos que estiveram presentes na solenidade de inauguração, em especial: ao Prefeito Adauto Scardoelli e aos professores Nelson, Aristeu, Claudia e Danilo.
Maiores informações sobre a inauguração do curso: http://www.saibaja.com.br/not/4714